MENINAS ALÉM DO ESPERADO

A EQUIPA FEMININA DE PORTUGAL EXCEDEU, MAIS UMA VEZ, as expectativas de quem acompanha as coisas do rugby.

Todos esperávamos uma boa participação no Mundial Universitário, mas a ideia que havia é que ficar entre as quatro primeiras equipas seria muito bom.

E quando as meninas foram apuradas para o quadro principal da prova, o objectivo foi alcançado.

Mas as nossas atletas quiseram presentear-nos com um extra, e ao derrotarem as canadianas num jogo de sacrifício, em que depois de marcarem um ensaio ainda na primeira parte,  souberam preservar a vantagem até ao apito final, demonstraram bem que ainda existe margem de progressão.

Porque se existe a força de vontade que se provou existir, então, com as condições adequadas, a evolução vai acontecer e os resultados vão surgir.

Não é uma equipa qualquer que, depois de ter perdido num dia por quase 30 pontos de diferença com uma determinada equipa, no dia seguinte, perante a mesma adversária, dá a volta à situação e acaba por cima!

Mas Portugal começou bem, derrotando a Itália no jogo inaugural, e depois a Ucrânia, para no terceiro jogo terem a oportunidade de desenvolver um pouco e derrotarem facilmente o território de Guam.

Garantido o apuramento, o desafio foi com o Canadá, e as nossas meninas foram-se abaixo e “levaram” 34-7, sem tempo sequer para pestanejarem!

No outro Grupo havia à partida quatro candidatas a dois lugares, com o Brasil e a Grã Bretanha a constituirem uma novidade nos palcos da Europa, e a Espanha e a Rússia, duas das maiores potências do rugby feminino europeu.

As brasileiras, eternas campeãs sul americanas, não foram felizes e perderam os dois primeiros jogos, com a Rússia e a Grã Bretanha talvez em resultado de uma deficiente adaptação ao piso sintético, que no entanto, foi uma novidade também para as equipas europeias.

As brasileiras cumpriram perante a Noruega e depois perante a Espanha, não tiveram força nem capacidade para fazer melhor que perder por uns exagerados 34-0.

Entretanto espanholas e russas garantiram o apuramento, ficando as britânicas e as brasileiras relegadas para a Plate, e a Noruega, Ucrânia e Guam unidas na disputa da Bowl.

Ontem tiveram lugar as finais, e a Espanha depois de ultrapassar as portuguesas na meia final, encontrou a Rússia no jogo definitivo.

E foi a oportunidade que as espanholas tiveram para dizer que não só são a melhor equipa da Europa, como o prova o título conquistado em Moscovo, como são também a melhor equipa universitária do Mundo.

Com cinco jogadoras que participaram no Europeu, a Espanha foi definitivamente a melhor equipa da competição e a sua vitória é inteiramente justa.

Para o terceiro lugar as nossas meninas vingaram-se do Canadá e conquistaram o direito ao podium, enquanto a Itália na Plate, e a Ucrânia na Bowl, conquistaram os troféus em disputa.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

VOLTAR A PÁGINA INICIAL

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: