FRANÇA-IRLANDA PODE APONTAR O CAMINHO

COM A SEGUNDA JORNADA À PORTA E AS EQUIPAS A PLENO GÁS, é altura de darmos uma espiada no que pode acontecer daqui para a frente, no Torneio das 6 Nações.

Das três partidas, apenas a Inglaterra parece ter o trabalho mais facilitado, já que é grande a diferença de nível entre italianos e os restantes participantes na competição.

Mas vamos à análise do Rui Afonso

França-Irlanda

Na primeira jornada, França e Irlanda venceram os piores conjuntos do torneio. Pode dizer-se que este jogo mostrará o verdadeiro potencial das duas equipas, sobretudo dos franceses, dos quais se pode esperar sempre o melhor… e o pior.

A Irlanda tem dado provas de mais consistência. É uma equipa organizada, tendo como principais armas os seus dois centros (BOD é, quase sempre, brilhante) e o abertura O´Gara.

Nos avançados realce-se o papel fundamental de O´Connell, a capacidade defensiva de Wallace e o poder ofensivo de Heaslip.

A França parece estar a construir uma equipa de topo onde, aparentemente, só falta coesão entre os sectores para que se torne numa séria aposta ao título mundial, a disputar no próximo ano na Nova Zelândia. Basta relembrar a fantástica vitória em casa sobre os sul-africanos, não há muito tempo.

Os avançados franceses têm tudo para fazer estragos nas fases estáticas e dinâmicas, embora os irlandeses tenham estado muito bem nos alinhamentos contra a Itália.

No entanto, os irlandeses são os detentores do título e tudo farão para surpreender a equipa francesa no Stade de France, onde têm sempre dificuldades. Procurarão faltas na agressividade francesa, por vezes desmesurada, sobretudo nos rucks, para que O´Gara decida o encontro no seu jogo ao pé.

Apesar do treinador francês, Marc Livremont, ter anunciado que a equipa inicial do jogo com a Escócia não sofreria qualquer alteração, vê-se agora forçado a prescindir de Rougerie e Fall (os dois pontas lesionaram-se no encontro de Domingo). Entrarão para as suas posições Clerc e Palisson.

A Irlanda fará entrar Earls para o lugar de Trimble, também lesionado.

Equipas prováveis:

França

1- Domingo, 2- Servat, 3- Mas, 4- Nallet, 5- Pape, 6- Dusautoir (c), 7- Ouedraogo, 8- Harinordoquy, 9- Parra, 10- Trinh-Duc, 11- Palisson, 12- Jauzion, 13- Bastareaud, 14- Clerc, 15- Poitrenaud

Banco: Szarzewski, Marconnet, Pierre, Bonnaire, Michalak, Marty, Malzieu.

Irlanda

1- Healy, 2- Flannery, 3- Hayes, 4- Cullen, 5- O’Connell, 6- McLaughlin, 7- Wallace, 8- Heaslip, 9- O’Leary, 10- O’Gara, 11- Earls, 12- D’Arcy, 13- O’Driscoll (c), 14- Bowe, 15- Kearney

Banco: Best, Court, Ryan, O’Brien, Reddan, Sexton, Wallace, Trimble.

Previsão: vitória suada da equipa gaulesa que, num dia bom, pode vencer qualquer equipa do mundo. A emoção pós-marselhesa, a criatividade no passe e a capacidade defensiva da terceira linha francesa vencerão o rigor táctico, a visão de jogo de O´Driscoll e a bota de O´Gara.

País de Gales-Escócia

As duas nações foram derrotadas na primeira jornada, o que faz antecipar um jogo disputado a cada momento.

Contudo, se, por um lado, Gales mostrou que tem equipa para discutir o torneio até ao fim (quase conseguia a vitória em Twickenham nos últimos minutos), a Escócia que temos visto nos últimos anos não parece ser capaz de incomodar as quatro melhores equipas do Hemisfério Norte.

Sem poder contar com um dos melhores médios de formação do mundo, Mike Phillips, e com Gethin Jenkins ainda à procura da sua melhor forma, começando no banco, o treinador Warren Gatland fará entrar no XV o ponta Leigh Halfpenny e o segunda linha Jonathan Thomas.

A equipa escocesa regista quatro mudanças em relação ao jogo com a França: o médio de abertura e exímio chutador Dan Parks (que regressa à equipa após 18 meses de ausência por opção técnica), o ponta Rory Lamont, o pilar direito Euan Murray e o segunda linha Jim Hamilton (que substitui o lesionado Nathan Hines).

Equipas prováveis

País de Gales

1- James, 2- G. Williams, 3- A. Jones, 4- Thomas, 5- W. Jones, 6- Powell, 7- M. Williams, 8- R. Jones (c), 9- Cooper, 10- S. Jones, 11- S. Williams, 12- Roberts, 13- Hook, 14- Halfpenny, 15- Byrne

Banco: Bennett, Jenkins, Davies, Warburton, Rees, Bishop, Shanklin.

Escócia

1- Dickinson, 2- Ford, 3- Murray, 4- Hamilton, 5- Kellock, 6- Brown, 7- Barclay, 8- Beattie, 9- Cusiter (c), 10- Parks, 11- R. Lamont, 12- Morrison, 13- S. Lamont, 14- T. Evans, 15- Paterson

Banco: Lawson, Jacobsen, Gray, MacDonald, Blair, Godman, M. Evans.

Previsão: vitória confortável da equipa galesa, com a Escócia a melhorar na formação ordenada, no alinhamento e na profundidade do seu jogo ao pé.

Itália-Inglaterra

No passado sábado, a Inglaterra de Martin Johnson venceu sem convencer o mundo do rugby de que está (finalmente) pronta para o grand slam. O facto de ter tremido na segunda parte do jogo inaugural, permitindo a recuperação do adversário, é prova disso mesmo.

A Itália, sem poder contar com o seu capitão Parisse, viu a Irlanda a controlar o encontro sem nunca conseguir surpreender. Nem a sua formação ordenada foi capaz de superiorizar-se ao jogo irlandês, mais metódico e a saber aproveitar os erros do oponente.

Ainda assim, Johnson não pretende subestimar os italianos a jogar em casa. Para fortalecer a equipa na formação ordenada, fará entrar o jovem scrummager Dan Cole para enfrentar a poderosa primeira linha italiana.

O jogo marcará ainda o regresso do lesionado Riki Flutey, por troca com Flood na posição de primeiro centro.

Equipas prováveis:

Inglaterra

1- Payne, 2- Hartley, 3- Cole, 4- Shaw, 5- Borthwick (c), 6- Haskell, 7- Moody, 8- Easter, 9- Care, 10- Wilkinson, 11- Monye, 12- Flutey, 13- Tait, 14- Cueto, 15- D. Armitage

Banco: Thompson, Wilson, Deacon, S. Armitage, Hodgson, Flood, Foden.

Itália

1- Perugini, 2- Ghiraldini (c), 3- Castrogiovanni, 4- Fava, 5- Geldenhuys, 6- Sole, 7- Ma. Bergamasco, 8- Zanni, 9- Tebaldi, 10- Gower, 11- Mi. Bergamasco, 12- Garcia, 13- Canale, 14- Robertson, 15- Mclean

Banco: Ongaro, Aguero, Bortolami, Derbyshire, Picone, Bocchino, Masi.

Previsão: Vitória clara da equipa da rosa. Wilkinson será letal no erro adversário e Tait e Monye poderão ser decisivos no ataque aos espaços da defensiva italiana.

VOLTAR A PÁGINA INICIAL

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: